Anuncie no Força Logística
Comunicação com o blog Força Logística somente por e-mail:
brazilverde@gmail.com

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Logística Reversa do setor automobilístico.

                               Logística reversa da industria automobilística.
                               E as caracterização dos resíduos da Industria automobilística.

 A Logística reversa é muito revelante na industria automatística, que é grande geradora de resíduo no final de seus processos produtivos e logísticos, tais como: peças ou componentes que são registrados nas inspeções de qualidades de qualidades; embalagens de armazenagem e transporte: peças ou componentes devolvidas pelos clientes finais nos conhecidos: ``recalls``, entre outros. Algumas práticas de logísticas reversa adotadas são apresentadas neste seção.
Segundo Ballou ´´(2001) a missão  da logística e dispor a mercadoria ou o serviço certo, no lugar certo, no tempo certo e nas condições desejadas, ao mesmo tempo em fornece a maior contribuição á empresa.
porém verifica-se que atualmente, a sociedade tem manifestado uma-crescente-sensibilidade ecológica, motivada pelos evidentes  crimes ambientais que vem ocorrendo e que exige das empresas menor responsabilidade, no que se refere ao descarte, surge um novo ramo da logística, que conforme leite (2003) é a área da logística empresarial que planeja, opera e controla o fluxo e as informações logística- correspondentes, do retorno dos bens de pós venda e de pós consumo ao ciclo dos negócios ou ciclo produtivos dos meios dos canais de distribuição reversa, agregando-lhes valor de diversos naturezas, ecológica, legal, logística de valor de imagens corporativa entre outros.
A Logística Reversa tem como ação que visa Disponibilizar determinados produtos a seus clientes ,  no menor espaço de tempo Possível.
A Logística Reversa Consiste na coleta de embalagens, equipamentos eletrônicos e outros produtos pós-uso, visando o descarte ou reutilização em outros segmentos de atividades industrial.
É crescente o números de indústrias que estão desenvolvendo práticas de produção mais limpa e ações baseadas nos princípios de sustentabilidade . Dentre as diversas ações destaca- se a Logística Reversa  a qual consiste no fluxo reverso , ou seja , o produto volta do cliente para a unidade fabril(empresa), que dará um fim ambientalmente correto.

É de fundamental importância que os empresários tenham conciência ambiental ,pois de modo que tais ações sejam adotadas , tendo assim uma fonte de renda Lucrativa para empresa e a colocará em uma posição destacada e privilegiando no seu segmento de atuação, além de contribuir para a conservação do meio ambiente..
2. SISTEMAS DE AQUECIMENTO DE FLUIDO TÉRMICO 2.1. Definição O sistema de aquecimento de fluido térmico é utilizado nos mais diversos processos produtivos, em que necessita-se de um aquecimento indireto. Trata-se de um circuito fechado, onde um fluido específico recebe energia térmica no Aquecedor, elevando com isto sua temperatura, transporta esta energia térmica através de sua circulação em uma tubulação até o ponto de consumo , trocando este calor absorvido nas mais diversas máquinas e aquecendo com isto produtos, sistemas ou ambientes. Os sistemas de fluido térmico são divididos em dois tipos básicos: Sistemas de Aquecimento - utilizados para aquecer produtos, ambientes ou processos e Sistemas de Resfriamento - utilizados em refrigeração de ambientes ou produtos. Os sistemas de aquecimento de fluido térmico podem ser divididos em dois tipos: Sistemas em Fase Líquida e Sistemas em Fase Vapor. Os sistemas de fase líquida são os mais utilizados no Brasil, correspondendo a aproximadamente 98% das instalações. Nestes sistemas o fluido térmico trabalha obrigatoriamente em fase líquida em todo e qualquer ponto da instalação e a uma temperatura máxima de 365ºC. Nos sistemas de fase vapor, o fluido térmico após ser aquecido em fase líquida, passa por um tanque de flash e vaporiza-se. Ao trocar calor no consumidor, já em fase vapor, se condensa e retorna para o aquecedor onde irá recomeçar o ciclo. Os sistemas que operam em fase líquida, por sua vez, possuem duas sub-divisões, que são os sistemas não pressurizados e os sistemas pressurizados. 6 Os sistemas não pressurizados trabalham a uma temperatura máxima de 300ºC e não necessitam de pressurização externa, uma vez que a maioria dos fluidos térmicos possuem uma temperatura de vaporização à pressão atmosfé rica de aproximadamente 300ºC. Os sistemas que trabalham entre 300ºC e 365ºC, necessitam de pressurização externa, normalmente realizada por um gás inerte, tal como o nitrogênio. Esta pressurização, porém, é extremamente baixa em comparação com um sistema de vapor d`água para a mesma temperatura. Estes sistemas de aquecimento de fluido térmico, dependendo do fluido utilizado, são pressurizados entre 2kgf/cm² a no máximo 10kgf/cm². Somente para exemplificarmos, um sistema de vapor d`água saturado trabalhando a 350ºC teria uma pressão de operação de 167,63 kgf/cm². A seguir, para uma melhor compreensão, apresentamos um fluxograma esquemático de sistemas de aquecimento de fluido térmico na fase líquida (pressurizado e não pressurizado) e na fase vapor. Fig. 2.1 – Sistema de aquecimento de fluido térmico na fase líquida sem pressurização. 7 Fig. 2.2- Sistema de aquecimento de fluido térmico na fase líquida com pressurização. Fig. 2.3- Sistema de aquecimento de fluido térmico na fase vapor.


Biografia Ballou, ABNT,Alves e Anastácio..

Origem: ABNT FORÇA LOGÍSTICA A FORÇA DO BRASIL

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o FORÇA LOGÍSTICA gratuito:

Governo planeja publicar novo decreto dos portos nesta quarta-feira (10)

Governo planeja publicar novo decreto dos portos nesta quarta-feira (10)   O setor portuário pode receber investimentos de a...