Anuncie no Força Logística
Comunicação com o blog Força Logística somente por e-mail:
brazilverde@gmail.com

terça-feira, 7 de março de 2017

Responsável por redes do PMDB admite "frase infeliz" em peça no Facebook




Responsável por redes do PMDB admite "frase infeliz" em peça no Facebook

Daniela Garcia
Do UOL, em São Paulo

 Ouvir texto

0:00
 Imprimir Comunicar erro

  • Reprodução/Facebook/PMDB Nacional
    6.mar.2017 - À esq., publicação feita pelo PMDB na quinta-feira (2); à dir., texto publicado no dia seguinte (4)
    6.mar.2017 - À esq., publicação feita pelo PMDB na quinta-feira (2); à dir., texto publicado no dia seguinte (4)
Um post publicado na conta de Facebook do PMDB na última quinta-feira (02)provocou polêmica ao afirmar que se a reforma da Previdência não for aprovada, programas sociais importantes como Bolsa Família e Fies vão acabar. Diversos internautas criticaram a postagem e alegaram que o governo Temer estaria fazendo chantagem social. O partido manteve a peça no ar, mas divulgou novo post, no sábado (04), amenizando a "ameaça".
"Foi um jeito ruim de dizer. Lamentavelmente, o redator não foi feliz de escrever essa frase", admite Lula Guimarães, responsável pelas criações publicitárias nas redes do partido. Na avaliação dele, o post de quinta-feira usou uma "frase infeliz".
"Se a reforma da Previdência não sair: tchau, Bolsa Família; adeus, Fies; sem novas estradas; acabam os programas sociais", diz trecho da peça publicitária.
Lula Guimarães assumiu as redes sociais do PMDB em abril de 2016, antes mesmo de Michel Temer tomar posse como presidente da República. Ele nega que a publicação do "tchau, Bolsa Família" tenha tom "chantagista". "Foi uma peça mais irônica e isso acabou dando muita polêmica".
A publicação do dia 2 de março recebeu 14 mil interações no Facebook, quase 10 mil compartilhamentos e cerca de 15 mil comentários, sendo o post de maior repercussão do PMDB em 2017.
Um dos comentários, crítico ao conteúdo publicado pelo perfil do PMDB, recebeu mais de 12 mil curtidas. O perfil Amado Batista escreveu: "Comecem cortando na própria carne: diminuam privilégios do Executivo, Legislativo e Judiciário, diminuam ministérios, diminuam custos com eventos e viagens inúteis, controlem os gastos com cartões corporativos e outras regalias, parem de desviar o dinheiro arrecadado para a previdência, cobrem daqueles que estão devendo INSS (muitas empresas de porte estão devendo muito), demitam todos os assessores aspones e funcionários públicos incompetentes, e contratem uma assessoria de imprensa maus barata e mais inteligente, porque esses posts estão bem fracos..."
Outro comentário, com 5.700 curtidas, chamou o partido de covarde. "Vocês estão ameaçando o povo brasileiro de cortar os pouquíssimos direitos sociais que temos, se não aprovarem essa reforma desnecessária, falaciosa e usurpadora?", questionou o perfil de Lucas Gabrielli.
A repercussão negativa levou a equipe de comunicação a publicar uma peça publicitária com tom diferente da primeira. Segundo Guimarães, o conteúdo da nova peça é "mais explicativo". No post de sábado, o PMDB passou a afirmar que o governo Temer ampliou o Bolsa Família e o FIES, e que a reforma garantirá o "futuro do Brasil".
O texto publicado na noite do dia 4 alcançou repercussão muito menor do que o anterior: até o momento, foram cerca 840 likes, 60 compartilhamentos e 735 comentários.
O marqueteiro político defende que a página no Facebook do PMDB explore as mensagens de forma "mais agressiva e combativa". "É uma comunicação partidária. Se fosse [um canal] do governo, não poderia ser assim", analisa.

Romero Jucá

Guimarães teve que se explicar ao senador Romero Jucá (PMDB-RR), presidente nacional do partido, sobre a publicação. Nesta segunda-feira (6), o marqueteiro político justificou ao cacique que a mensagem "foi um ponto fora da curva". Após a reunião com o parlamentar, ficou decidido que esse não deve ser o tom de abordagem da reforma da Previdência.
O comunicador, no entanto, diz que continuará veiculando as mensagens que mostram o prejuízo às contas públicas sem a reforma defendida pelo governo Temer. "O que publicamos não tem nenhuma inverdade, não foi leviano. Só dissemos isso: que a conta não fecha".

Polêmica da reforma

O governo apresentou seu projeto de reforma da Previdência em dezembro do ano passado. Pela proposta de emenda constitucional, a idade mínima para se aposentar será de 65 anos, com pelo menos 25 anos de contribuição à Previdência. 
O projeto ainda vai ser analisado pela Câmara e pelo Senado.
Daniela Garcia
Do UOL, em São Paulo

ORIGEM: PORTAL UOL FORÇA LOGÍSTICA A FORÇA DO BRASIL

Gostou dessa matéria? Doe qualquer valor e ajude a manter o FORÇA LOGÍSTICA gratuito:

Governo planeja publicar novo decreto dos portos nesta quarta-feira (10)

Governo planeja publicar novo decreto dos portos nesta quarta-feira (10)   O setor portuário pode receber investimentos de a...